Page Name

Vírus H1N1

gripesuina.jpg

Já no início de abril, tirando de foco a atenção concentrada na crise econômica iniciada pelo setor imobiliário, passa a circular nas mais diversas fontes informativas casos de uma nova epidemia, causada pelo vírus Influenza A (H1N1) e vulgarmente conhecida por gripe suína. Os primeiros casos dessa disseminação ocorreram no México e datam de março desse ano; de lá para cá, mais casos foram descobertos em mais de 30 países (segundo a OMS), inclusive no Brasil, cujo número de ocorrências é sinal de preocupação e serve como advertência.
O alcance ilimitado da globalização e a facilidade que o vírus encontra para se reproduzir geograficamente trazem ainda preocupações de âmbito econômico. Não raro, várias medidas foram adotadas para tentar deter o fluxo de imigrantes contagiados e para popularizar o uso de máscaras de proteção nos mais diversos locais. Ademais é importante citar a queda no número de venda de carne suína, dado que as pessoas preferiram substituir tal carne pela de outras espécies, fruto da popularização do mito de que a gripe pode ser transmitida por ingestão.
No Brasil, consta-se que a primeira ocorrência de óbito causada pela Gripe A foi a de uma garota de 11 anos em Osasco, São Paulo. A menina, ao que tudo indica não apresentou nenhum dos sintomas característicos da doença, mas apenas forte dor abdominal e vômito. Ao ser levada para o hospital, no dia seguinte, foi aflingida por uma parada cardiorrespiratória, que lhe causou falecimento. Pensava-se que ocorrera uma infecção generalizada, o que tempos depois foi, notadamente, tido como engano, visto que o vírus acometeu ainda seu irmão mais novo, os pais e uma outra criança. A ausência de sintomatologia caracteristica deu ao país a preocupação de que o vírus pode se alastrar com maior facilidade e, depois dessa primeira morte, os números só vem aumentando.
Até 19 de outubro o número de mortes causados pelo vírus H1N1 no país foi de 1.368 dos 17.219 casos confirmados. A taxa de mortalidade da doença no Brasil é 0,7 por 100 mil habitantes, sendo 112 desses óbitos apenas no mês de outubro, dados estes confirmados pelas secretarias estaduais e/ou municipais do país. Somente na região Nordeste o número de óbitos é de 15 (maior apenas que a região Norte que marca 13 falecimentos). De acordo com o boletim semanal da Secretaria Estadual de Saúde (Sesau), os dados da nova gripe em Alagoas marcam, até o momento, 22 registros confirmados de pessoas contagiadas pela gripe ,com dois falecimentos na capital do estado. A primeira foi uma jovem de 22 anos, que residia no estado há 7 anos, natural de Brasília e a segunda,uma paciente, de 49 anos,que também residia em Maceió, natural de Camaragibe-AL. O Ministério da Saúde indica o Hospital Escola Doutor Hélvio Auto (Maceió) e Hospital Universitário Professor Alberto Antunes (Maceió) como aconselháveis para pacientes suspeitos de acometidos pelo Influenza A.
Em Arapiraca, situada no Agreste de Alagoas, embora o número de casos não seja tão alto, visto que o vírus afligiu ao que consta apenas uma vítima,que obteve devido tratamento, é importante manter a população informada e efetuar medidas de prevenção e conscientização. É necessário que as pessoas saibam como se prevenir, identificar os aspectos sintomatológicos e onde procurar tratamento. A mídia, ainda que tenha auxiliado na divulgação de informações sobre a epidemia, inegavelmente expôs um confuso temor, além do que vem se preocupando cada vez menos em relatar dados sobre a gripe.
A fim de auxiliar nessa tarefa de divulgação, apresentando o modo como o vírus é transmitido, os modos de prevenção da epidemia, a identificação dos sintomas e o número de casos, apresentamos essa página informativa, que visa a atender às mais diversas classes sociais, de maneira ampla e objetiva, com materiais confiáveis e atualizados.


Medidas Simples Para se Prevenir da Gripe:

451b906176.jpg
  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabão, especialmente após tossir ou espirrar.
  • Ao tossir ou espirrar, cobrir o nariz e a boca com um lenço, de preferência, descartável.
  • Pessoas com qualquer gripe não devem frequentar ambientes fechados ou com aglomeração de pessoas.
  • Não compartilhar alimentos, copos, toalhas e objetos de uso pessoal.
  • Procurar logo uma unidade de saúde em caso de suspeita de infecção pela Influenza A(H1N1) para diagnóstico e tramento adequados.
  • Não usar medicamentos sem orientação médica. A automedicação pode ser prejudicial à saúde.

Tire suas dúvidas sobre a nova gripe.

Perguntas mais frequentes sobre a H1N1:

1-Como é transmitida a Influenza A?
A Influenza A é uma doença respiratória aguda causada por um novo vírus da gripe. Assim como a gripe comum, a influenzaA(H1N1) é transmitida de pessoa para pessoa,principalmente por meio de tosse,espirro ou contato secreções respiratórias de pessoas infectadas.

2-Quando procurar atendimento médico?
Se você estiver com febre acima de 38°c,tosse,acompanhada ou não de dor de garganta,procure o seu médico ou a unidade de saúde mais próxima.

3-Há tratamento para Influenza A no Brasil?
Sim. A rede de Sistema único de Saúde(SUS) está preparada para atender os casos e tratar, quando indicado.

4-Qual a utilidade do álcool gel?
Tornar o vírus inativo, matando-o.

5-Qual o período de incubação do vírus?
Em média de 5 a 7 dias,os sintomas aparecem quase que imediatamente.

6-O vírus é letal?
Não, o que provoca a morte é a complicação da doença causada pelo vírus, que ocasiona uma pneumonia.

7-O vírus ataca mais os asmáticos?
Sim, os pacientes são mais suscetíveis.Mas, tratando-se de um novo vírus todos corremos risco.

8-Qual é o risco de mulheres grávidas contrairem esse vírus?
As mulhres grávidas têm risco em dobro, elas podem tomar antivirais em caso de contagio, mas com rigorosa supervisão médica. Não se sabe o estrago que a doença pode ocasionar no feto, pois trata-se de um vírus novo.

9-Pode-se comer carne de porco?
Sim, pois não há nenhum risco de contagio.

10-Se sou vacinado contra uma gripe da estação estou seguro contra esse vírus?
Não serve para nada. Ainda não há vacina para esse vírus.

Hospitais de Referência para Atendimento da gripe A


Sintomatologia

1-Febre
2-Dor de cabeça
3-Cansaço
4-Calafrios
5-Dor de garganta
6-Tosse
7-Muco (catarro)
8-Dores musculares
9-Ardor nos olhos

Principais Diferenças entre a Influenza A e a Gripe Comum


Vacina

saude_30071752_gd.jpg
Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License